Redação | Comercial

Agronegócio

Incra-MG celebra convênios de infraestrutura com 15 prefeituras

A Superintendência Regional do Incra em Minas Gerais inicia 2018 com a celebração de 15 convênios no valor total de R$ 4,8 milhões para recuperação e abertura de estradas, construção de pontes, colocação de bueiros e obras de infraestrutura em assentamentos.

Devem ser atendidos 54 assentamentos dos municípios de Almenara, Bonfinópolis de Minas, Campo Florido, Dom Bosco, Gurinhatã, Jaíba, João Pinheiro, Joaquim Felício, Limeira do Oeste, Prata, São Francisco, Tumiritinga, Urucuia, Vargem Grande do Rio Pardo e Veríssimo. Em torno de 5,6 mil famílias serão favorecidas.

Os instrumentos com as prefeituras foram formalizados no último dia 29, garantindo orçamento para a execução das obras. “Foram quase R$ 5 milhões a serem descentralizados aos municípios para facilitar o escoamento da produção dos assentados e o desenvolvimento da zona rural”, afirma o superintendente do Incra-MG, Robson de Oliveira Fonzar.

Os convênios têm vigência de um ano e 10 meses, com possibilidade de prorrogação. O início das obras dependerá da finalização de projetos básico e de planos de trabalho por parte da administração municipal.

Ações integradas
A celebração de parcerias para melhoria de infraestrutura dá sequência ao trabalho realizado pela regional do Incra para o desenvolvimento dos assentamentos mineiros.

O superintendente destaca as ações promovidas em Prata e Jaíba, que iniciaram com a atualização cadastral das famílias e entrega de Contratos de Concessão de Uso dos lotes, seguidas da aplicação de créditos em diferentes modalidades.

“Ao encerrar 2017, o Incra garante estrada para escoar a produção que foi fomentada pelo crédito. Tais ações sincronizadas e seguidas demonstram o compromisso da equipe da superintendência e transparecem a sincronia entre os seus setores, que sempre buscam a qualidade de vida dos assentados. Fechamos o ano na certeza de ter feito nosso melhor, e com o desejo de continuar, em 2018, nossa missão da reforma agrária”, avalia Fonzar.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONTINUAR LENDO