Redação | Comercial
Brasil e Mundo

Células de mulher morta em 1951 estão vivas e salvam vidas até hoje

Foto: Science Photo Library

Um caso misterioso e polêmico vem ajudando cientistas a criarem remédios e vacinas há mais de 60 anos.

São células retiradas de uma norte-americana humilde, chamada Henrietta Lacks – que morreu de câncer em 1951.

Detalhe: até hoje as células dela estão vivas, se multiplicando e sendo usadas em pesquisas. Talvez o uso mais importante tenha sido na criação da vacina contra a Pólio, que salvou milhões de vidas no mundo.

Como

Ela teve câncer no colo do útero e pouco antes de morrer um médico chamado George Gey – que pretendia descobrir a cura do câncer – retirou um pedaço de tecido de Henrietta para uma biópsia e guardou pra ele.

Gey não pediu autorização, já que na época ainda não havia legislação específica sobre o assunto.

Desde então, as células removidas do corpo dela vêm crescendo, se multiplicando e sendo vendidas para diversos laboratórios.

Há bilhões delas em laboratórios do mundo inteiro sendo usadas por cientistas para fazer vacinas e remédios.

“Não dá para saber quantas células de Henrietta ainda circulam. Um pesquisador estima que, juntas, pesariam 50 milhões de toneladas, algo inconcebível, porque cada uma pesa quase nada”, disse Rebecca Skloot, autora do livro A Vida Imortal de Henrietta Lacks.

As células foram batizaram de linha celular HeLa, uma referência às letras iniciais do nome de Henrietta Lacks.

Vacina contra pólio

“Há muitas situações em que precisamos estudar tecidos ou patógenos no laboratório”, diz Burn.

“O exemplo clássico é a vacina contra a poliomielite. Para desenvolvê-la, era necessário que o vírus crescesse em células de laboratório, e, para isso, eram necessárias células humanas”.

As células HeLa acabaram sendo perfeitas para esse experimento, e as vacinas salvaram milhões de pessoas, fazendo com que essa linha celular ficasse mundialmente conhecida.

Elas não somente permitiram o desenvolvimento de uma vacina contra a poliomielite e inúmeros tratamentos médicos, mas foram levadas nas primeiras missões espaciais e ajudaram cientistas a prever o que aconteceria com o tecido humano em situações de gravidade zero.

Células imortais

As células do tumor que foram retiradas do corpo de Henrietta foram mantidas na unidade hospitalar de câncer do hospital, porque Gey havia descoberto que elas podiam ser cultivadas indefinidamente no laboratório.

Uma leva inteira de células de Henrietta pode ser reproduzida em 24 horas, diz John Burn, professor de Genética na Universidade de Newcastle, Reino Unido.

Foram as primeiras células humanas imortais cultivadas em laboratório e já vivem há mais tempo fora do que dentro do corpo de Henrietta.

Além da contribuição científica, faturou-se bilhões de dólares em produtos testados em células HeLa.

Família

Como a retirada foi feita sem autorização, os familiares dela – ainda vivos – lutam há anos por seus direitos e chegaram a acionar a Justiça por uma compensação financeira, já que são cobrados altos valores pelas células de Henrietta.

No mês passado, o filho mais velho, Lawrence, afirmou que os parentes devem ainda neste ano tentar novamente processar o Centro John Hopkins, onde o procedimento foi feito.

A família também tenta o reconhecimento da contribuição dela para a ciência e lançou uma campanha em que Henrietta Lacks tornou-se uma heroína científica.

“As células dela têm sido a base de dezenas de milhares de estudos médicos em todo o mundo e em diversos tamos da ciência biológica. Foi um elemento crucial para o desenvolvimento no século 20”, diz o geneticista.

Mas a família não teve sorte até agora no que diz respeito à compensação financeira.

Com informações da BBC

Via: http://www.sonoticiaboa.com.br/2017/03/15/celulas-de-mulher-morta-em-1951-estao-vivas-e-salvam-vidas-ate-hoje/

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.