conecte-se conosco

Cotidiano

Período chuvoso aumenta possibilidade de doenças e requer cuidados

É maior a chance de aparecimento de leptospirose, diarreias agudas, dengue, zika, chikungunya e hepatites infecciosas

Publicado

em

Os cuidados são gerais, principalmente com a água e os alimentos consumidos, além da higiene pessoal e do ambiente

As temporadas de chuvas podem causar vários transtornos à população, incluindo problemas com relação à saúde. No período aumentam as chances de aparecimento de doenças como leptospirose, hepatites infecciosas, diarreias agudas, febre tifoide, dengue, chikungunya, zika, doenças dermatológicas e respiratórias infecciosas, e acidentes por animais peçonhentos. Diante disso, é preciso tomar alguns cuidados para evitar a contaminação por contato com água de enchente e proteger o organismo.

A coordenadora de Vigilância em Fatores de Riscos Não Biológicos da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Michelle Souza Costa, lembra que nesta época há um aumento do volume de água dentro das canalizações, além de maior número de agentes infecciosos. 

“Os cuidados são gerais, principalmente com a água e os alimentos consumidos, além da higiene pessoal e do ambiente. O alerta com o destino das fezes e do lixo também deve ser redobrado, sobretudo em casos de enchentes e alagamentos, especialmente para quem utiliza água de reservatórios e poços artesianos”, observa.

Michelle reforça que algumas ações podem evitar a transmissão de doenças. “Filtrar e ferver a água evita doenças diarreicas, que podem causar desidratação grave, especialmente em crianças. A água usada para beber, para uso pessoal e para fazer comida deve ser tratada, antes do uso”, orienta.

Ao limpar locais atingidos por enxurradas e lamas, a coordenadora recomenda que as pessoas se protejam com uso de sacos plásticos duplos nas mãos e nos pés, ou luvas e botas. “Quando encostar na água for inevitável, a única forma de reduzir os riscos à saúde é permanecer o menor tempo possível o contato”, diz. Em casos de febre, dores e amarelamento da pele, a recomendação é para procurar atendimento profissional em uma unidade de Saúde.

Cuidados com alimentos

Os cuidados com a comida também precisam ser redobrados. A presença de roedores, insetos e outros animais pode aumentar os riscos de contaminação. A diretora de Vigilância em Alimentos da SES-MG, Ângela Ferreira Vieira, alerta que alimentos devem ser mantidos devidamente acondicionados em latas ou recipientes fechados, fora do alcance desses vetores.

“Os alimentos in natura, como legumes, verduras, frutas, carnes, ovos, grãos, cereais que tiveram contato com as águas de enchente devem ser inutilizados por que se contaminam facilmente. As comidas enlatadas também devem ser descartadas quando as latas estiverem amassadas, enferrujadas ou semiabertas”, afirma.

Animais peçonhentos

Mesmo podendo ocorrer durante todo o ano, a chegada do calor e das chuvas aumenta a probabilidade de acidentes com animais peçonhentos. Segundo a referência técnica de Acidentes por Animais Peçonhentos da SES-MG, Andreia Kelly Roberto Santos, é durante essa época que animais como escorpiões, cobras e aranhas procuram lugares secos para se abrigar, podendo ser encontrados nas proximidades de casas, jardins e parques, tanto em áreas urbanas, quanto rurais.

“Os principais cuidados são: bater colchões antes de usá-los e sacudir cuidadosamente roupas, sapatos, toalhas e lençóis; utilizar luvas, botas e calças compridas ao limpar o interior e arredores da casa. Se encontrar algum deles, afaste-se lentamente, sem assustá-lo, e chame o Corpo de Bombeiros. Em caso de acidente, procure atendimento médico imediatamente na unidade de Saúde mais próxima”, frisa.

Maior incidência

Leptospirose – a ocorrência de casos tende a ser maior nos períodos de enchentes porque a enxurrada traz para os ambientes humanos a urina de roedores que estão nos esgotos e bueiros. Por isso, qualquer pessoa que entrar em contato com a água ou lama pode acabar infectada. Em 2019, Minas Gerais registrou 160 casos, com 17 mortes.

Hepatite A – a transmissão está relacionada diretamente às condições de saneamento básico e higiene pessoal. Normalmente é transmitida por alimentos mal lavados; também pode surgir com a ingestão acidental de água das chuvas contaminada. No ano passado, foram 40 casos notificados.

Diarreia – se não for tratada adequadamente, pode evoluir para uma desidratação grave e até mesmo levar ao óbito. Em crianças menores de 5 anos foram notificadas 23 mortes causadas pela doença em 2019.

Febre tifoide –  Provoca febre alta, dores de cabeça, mal-estar geral, falta de apetite, retardamento do ritmo cardíaco, aumento do volume do baço, manchas rosadas no tronco, prisão de ventre ou diarreia e tosse seca. É transmitida por ingestão de água ou alimentos contaminados com fezes humanas ou com urina contendo a bactéria.

Chikungunya, zika e dengue – Com a chegada da época do calor e do período chuvoso, é maior a quantidade de água parada, facilitando a proliferação do vetor dessas doenças. Mais informações estão disponíveis no site www.saude.mg.gov.br/aedes.

Alerta Chuva

Para conscientizar a população quanto aos cuidados necessários para manter a segurança e a saúde no período chuvoso, a SES-MG conta com o site www.saude.mg.gov.br/alertachuva.

Cotidiano

15 PMs do 54º BPM concluem Curso Especial de Formação de Sargentos

Publicado

em

Foto: PMMG

O 54º Batalhão da Polícia Militar recebeu quinze novos sargentos na manhã desta terça-feira, 26, em sua sede em Ituiutaba.

O tenente-coronel Waldir dos Santos, comandante do 54° BPM, recebeu os novos sargentos que atuarão na Unidade, após a conclusão do Curso Especial de Formação de Sargentos (CEFS/2020).

O comandante os desejou boas-vindas, parabenizando pelo sucesso da conclusão do curso e por representarem bem o 54º BPM durante a jornada. Ainda, falou sobre a importância do aprimoramento profissional, como valorização pessoal e também da instituição, bem como da responsabilidade que cada um desses sargentos tem para com a representatividade da PMMG e também para com o cidadão, a quem prestarão o serviço de segurança pública.

Os novos sargentos, antes do curso de formação, atuavam em Ituiutaba, Santa Vitória, Prata e Canápolis.

Continue lendo

Cotidiano

Com 77% de conclusão, obra na BR-154 entre Ituiutaba e Bastos deve ser entregue no mês de agosto, diz DNIT

Publicado

em

Foto: Pontal em Foco

O Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes – DNIT forneceu ao Pontal em Foco informações sobre o andamento da obra na rodovia BR-154, que faz a ligação entre Ituiutaba e o povoado de Bastos, e que dá acesso para a rodovia BR-364. O Departamento informou que a obra está com 77,05% de conclusão.

Andamento

O Departamento informou que o trecho entre os KM 63,000 ao 66,600, do contorno e a interseção do KM 63,000 com o entroncamento com BR-365, está em execução. Além disso, a ponte sobre o Córrego São Vicente está 92% concluída, aguardando o aterro e nivelamento de cota para execução da laje de transição e finalizar os acabamentos. Do KM 74,600 ao KM 75,080 já foram concluídos 2/3 do aterro e faltam serem implantadas as camadas superiores.

A ponte sobre Córrego São Gabriel, no KM 74,940 já foi concluída a infraestrutura, faltando executar todo restante da obra (Mesoestrututa, Superestrutura, Acabamento). Do KM 101,810 ao 102,250 já foram executadas as contenções necessárias naquele local e falta executar terraplenagem (aterro) e todas as camadas superiores. O trecho do KM 111,310 a 113,800, já no Bastos, aguarda liberação da nova Licença Ambiental.

Mão de obra e conclusão

Ainda segundo o DNIT, a construtora está com quadro de 156 colaboradores na obra e 17 colaboradores terceirizados e a previsão de conclusão é para o mês de agosto deste ano.

Investimento

O Governo Federal, por intermédio do DNIT, já disponibilizou R$ 66.584.660,28 de um total de R$ 76.123.098,34. O DNIT ressaltou que a obra contribui para o desenvolvimento da região e para a ligação com os municípios vizinhos, bem como facilita o transporte de insumos agrícolas e da safra produzida.

Anel viário

O anel viário da BR-154, com ligação com a BR-365, do KM 63,000 ao 68,440, é outra conquista para o município. Sua implantação desviará o trafego de veículos pesados das ruas da cidade e vem ao encontro das necessidades de Ituiutaba, município em pleno desenvolvimento.

Foto: Pontal em Foco

Continue lendo

Cotidiano

Conheça as informações disponíveis na conta de energia elétrica da Cemig

Publicado

em

Você sabia que a conta de energia elétrica da Cemig possui diversas informações para o cliente? Apesar de muitas pessoas só prestarem atenção no valor a ser pago, a fatura detalha diversos componentes importantes para o cálculo da cobrança. São informações referentes ao consumo da unidade consumidora, o ciclo de faturamento, os impostos que serão repassados aos governos estadual e federal, a bandeira tarifária determinada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o histórico de consumo da unidade e muito outros dados.

De acordo com o gerente de Relacionamento com Clientes da Cemig, Luciano José de Oliveira, é importante que o cliente observe não só a data do vencimento e o valor que irá pagar – que é o que as pessoas verificam normalmente – mas, principalmente, a quantidade de energia consumida.

“O cliente deve avaliar a conta principalmente pelo consumo de cada um dos últimos 12 meses. Como o ciclo pode variar, ou seja, a leitura pode ser feita em um mês com 30 dias, no outro com 28 dias, por exemplo, a fatura traz também o consumo médio diário, que permite ao cliente controlar o que está fazendo com que ele gaste mais ou menos energia” afirma.

A conta de luz traz a data em que foi feita a leitura, tanto a anterior quanto a atual. A diferença entre essas duas leituras significa o quanto o cliente consumiu e, consequentemente, o que ele terá de pagar.

“O ciclo de leitura dos clientes da Cemig pode variar entre 27 e 33 dias. Essa variação, mesmo que a pessoa não tenha mudado os hábitos de consumo, pode levar a fatura a uma alteração no valor. Dessa forma, é importante que o cliente observe não só o valor cobrado, mas a quantos dias se refere a cobrança, para que ele possa saber se a média diária de consumo aumentou ou não”, destaca.

Na área urbana, quando o leiturista não consegue ter acesso ao medidor de energia elétrica, a cobrança e feita considerando a média de consumo dos últimos 12 meses – chamada de “média“ –, e o cliente é notificado para que possa regularizar a leitura cobrada no mês seguinte.

Já na área rural, a leitura é realizada a cada três meses. Então a melhor opção é o cliente informar a leitura mensalmente à companhia pelos canais de atendimentos, como o aplicativo Cemig Atende, o SMS (enviar um torpedo gratuito para o número 29810) ou pelo telefone 116.

Outras informações importantes

A conta de energia da Cemig traz outras informações importantes, como alterações na fatura, eventuais mudanças de legislação, informações sobre o reajuste tarifário (que, no caso da Cemig, costuma acontecer na última semana de maio), além de informar se o cliente possui algum débito com a companhia. É importante destacar que esse ano não teve aumento de tarifa.

A bandeira tarifária vigente no mês também está informada na tarifa de energia da Cemig.  É importante destacar que a definição da bandeira é feita pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e vale para todo o País, não só para Minas Gerais. Ela indica a condição de produção de energia e a utilização de usinas térmicas, que tem o custo mais elevados por usarem combustíveis fósseis, como óleo diesel.

Também há informações importantes para os clientes sobre o detalhamento dos valores pagos na conta de energia.  Vale destacar que 22,4% do valor cobrado na tarifa ficam na Cemig Distribuição e servem para custear os investimentos em expansão, bem como os demais custos da empresa. Os 77,6% restantes são destinados a encargos setoriais (12,8%), tributos repassados aos governos federal e estadual (30,4%), energia comprada (28,7%) e encargos de transmissão (5,7%).

A companhia também informa, na conta de energia, o valor pago pelo cliente da iluminação pública, cujo valor da contribuição é determinada pela Câmara Municipal. A Cemig apenas arrecada o valor na conta e repassa ao município integralmente.

Continue lendo

+ lidas

error: O conteúdo está protegido!!!