Acontece

Número de denúncias de violência contra mulher é cada vez maior

Stand da Polícia Civil fez distribuição de panfletos durante evento em alusão ao Dia da Mulher, na praça Getúlio Vargas, nessa quarta-feira (08). Foto: Jaqueline Barbosa

Conforme a responsável pela Delegacia da Polícia Civil de Crimes contra a Mulher de Ituiutaba, Roberta Queiroz, o número de denúncias de violência contra mulher é cada vez maior. Roberta assumiu a delegacia em agosto do ano passado e, para ela, o dado pode indicar não só o aumento dos casos de violência mas, também, que mais mulheres estão encorajadas a denunciar os casos de violência.

“A maioria desses casos são de violência doméstica, ou seja, agressões físicas e verbais, dos próprios companheiros dessas vítimas”, afirma a delegada. De acordo com ela, a notícia boa é que os casos não são recorrentes, ou seja, não acontece com a mesma pessoa, a partir do momento em que ela procurou a delegacia. “Ou seja, isso é um sinal de que nosso trabalho de conscientização, orientação à essas vítimas, e de encaminhamento desses casos para a justiça, têm surtido efeito”, ressalta.

Ela destaca que a Lei Maria da pena garante resguardo da vítima, não só para violência física mas, também, violência psicológica. Para fazer o pedido da Medida Protetiva, a delegada orienta que a vítima deve  procurar a Delegacia da Mulher para expor os fatos e se orientar. “Logo depois iremos orientar a pessoa para que faça o Boletim de Ocorrência na Polícia Militar. Dependendo da gravidade da situação, e risco do autor próximo a ela, na mesma hora fazemos um requerimento de medida protetiva, ela assina e é despachado para o Juíz, que terá 48h para despachar”, afirma.

A delegada fala que a violência acontece em todas as classes sociais, e em todas as faixas etárias. “Muitas mulheres resistem em denunciar, com medo do autor ou, até mesmo vergonha dos familiares, vizinhança e amigos. Isso acontece muito, por exemplo, com mulheres de classe social mais elevada”.

Ela ressalta que a denúncia pode ser anônima e não precisa partir da vítima, pelo Disk 100 ou no próprio telefone da Polícia Civil, no 199.

Números

Uma pesquisa feita pelo Datafolha e encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança, apota que, uma em cada três mulheres sofreram algum tipo de violência no último ano. Só de agressões físicas, o número é alarmante: 503 mulheres brasileiras vítimas a cada hora.

Os dados, divulgados hoje, no Dia Internacional da Mulher, mostram que 22% das brasileiras sofreram ofensa verbal no ano passado, um total de 12 milhões de mulheres. Além disso, 10% das mulheres sofreram ameaça de violência física, 8% sofreram ofensa sexual, 4% receberam ameaça com faca ou arma de fogo. E ainda: 3% ou 1,4 milhões de mulheres sofreram espancamento ou tentativa de estrangulamento e 1% levou pelo menos um tiro.

A pesquisa mostrou que, entre as mulheres que sofreram violência, 52% se calaram. Apenas 11% procuraram uma delegacia da mulher e 13% preferiram o auxílio da família.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

To Top