Redação | Comercial
Saúde

Pesquisa indica que pele de amendoim pode ajudar a prevenir diabetes e obesidade

Lgfb'04 http://lgfb.vanet.com.br

Uma pesquisa desenvolvida na Universidade de São Paulo (USP), em Piracicaba (SP), indica que a pele do amendoim pode auxiliar na prevenção da obesidade e até da diabetes. O estudo do cientista de alimentos Adriano Costa de Camargo apontou compostos naturais desse subproduto da indústria que inibem enzimas ligadas à absorção de carboidratos e também de gordura.

Segundo o pesquisador, os benefícios estão ligados a propriedades antioxidantes da pele do amendoim e também à ação dos chamados “compostos bioativos” que diminuem a absorção das moléculas de açúcar e de gorduras, que estão relacionadas ao diabetes e à obesidade.

Camargo afirma que, para serem absorvidos pelo organismo, os carboidratos (açúcares) e lipídeos (gorduras) precisam ser “quebrados” em moléculas menores. “Essa quebra ocorre a partir da ação de enzimas, que podemos comparar a tesourinhas. Os compostos presentes na pele do amendoim se ligam a essas enzimas e é como se impedissem completamente ou parcialmente essas tesourinhas de cortar ou quebrar os açúcares e as gorduras”, disse.

A menor absorção de açúcares e gorduras “pode ser benéfica para o gerenciamento e prevenção do diabetes e da obesidade, respectivamente”, afirmou Adriano.

Radicais livres e bactérias

“Esses compostos neutralizam a ação de radicais livres a partir da sua função antioxidante. Os radicais livres causam danos no DNA, que podem levar a modificações genéticas e progredir para um câncer, por exemplo”, afirma Camargo. Eles também provocam “processos inflamatórios e a formação de placas nas artérias, o que pode prejudicar e até impedir o fluxo sanguíneo até o coração, podendo levar a um infarto”, diz.

Outra ação comprovada em laboratório, com colaboração de um grupo chefiado por Anderson de Souza Sant’Ana, da Unicamp, foi a atividade antimicrobiana. “Testamos os compostos extraídos do amendoim e da sua pele em nove bactérias e houve inibição do crescimento bacteriano em todas elas”, diz o pesquisador.

Via G1

CLOSE
FECHAR
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.