Redação | Comercial
Política

Denúncia contra Temer: Veja como votaram os deputados da região

Dos sete deputados federais eleitos na região do Triângulo Mineiro, cinco deles votaram pela rejeição da denúncia contra o presidente Michel Temer, ontem (02), na Câmara Federal dos Deputados.

O posicionamento dos deputados Tenente Lúcio (PSB), Marcos Montes (PSD), Aelton Freitas (PR), Caio Nárcio (PSDB) e Zé Silva (SD), que votaram a favor do arquivamento da denúncia contra Temer vai contra a maioria da população brasileira, 95% que, conforme pesquisa da Vox Populi, divulgada ontem (02), rejeita o governo de Temer.

Apenas Weliton Prado (PMB) e Adelmo Leão (PT), votaram a favor da denúncia contra o presidente.

Maioria de deputados do Triângulo Mineiro vota SIM e aprova relatório que rejeita denúncia contra Temer
Apenas dois deputados do Triângulo Mineiro reprovam relatório que rejeita denúncia contra Temer

Temer é acusado, com provas, de corrupção. Entenda:

No dia 26 de junho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF a denúncia contra Temer, com base na delação premiada de Joesley Batista, dono do grupo JBS. Entre as provas apresentadas por Joesley, estão gravações. Foi a primeira vez que um presidente da República foi alvo de um pedido de investigação no exercício do mandato.

Três dias depois, a presidente do STF, ministra Cármem Lúcia, enviou ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a denúncia com pedido de autorização para que a Corte Máxima do país possa investigar Temer.

Eram necessários 342 votos (2/3 dos deputados) para que a denúncia seguisse para investigação. Entretanto, o placar final foi 227 votos a favor da abertura das investigações e 263 contra. Houve 2 abstenções e 19 ausências.

Com o impedimento da autorização, caberá ao presidente da Câmara dos Deputados comunicar ao STF o resultado da votação e a impossibilidade de abrir investigação contra o presidente.

O que acontece agora?

Com essa decisão, a denúncia é suspensa e só pode ser retomada depois que Temer deixar a Presidência da República.

CLOSE
FECHAR