Redação | Comercial
Política

MPMG pede à Justiça a condenação de seis vereadores de Frutal

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da 3ª Promotoria de Justiça de Frutal, no Triângulo Mineiro, solicitou à Justiça a condenação de seis vereadores pelos crimes de corrupção ativa e passiva e a absolvição em relação ao crime de associação criminosa. As alegações finais apresentadas pelo MPMG foram encaminhadas à Justiça na última terça-feira, 2 de agosto.

A denúncia já havia sido apresentada à Justiça em janeiro deste ano após a operação Déjà-vu, deflagrada pelo MPMG em parceria com a Polícia Civil, para investigar suposto envolvimento de sete vereadores da cidade na compra e na venda de apoio político para as eleições da Mesa Diretora da Câmara Municipal para o biênio 2017/2018.

De acordo com a denúncia os vereadores estavam repetindo práticas ilícitas de eleições passadas, com o fim de comprar e prometer o voto, principalmente para a função de presidente da Câmara, em troca de cargos públicos comissionados, valores em espécie e até proteção contra ações judiciais e administrativas. Além das condenações pelos crimes de corrupção ativa e passiva, o MPMG requereu também, à Justiça, a suspensão dos direitos políticos dos acusados.

Por determinação judicial na ação civil de improbidade administrativa, os vereadores seguem afastados de suas funções até outubro deste ano.

Nas alegações finais a promotora de Justiça Daniela Campos de Abreu Serra pede ainda a absolvição de um sétimo vereador por ausência de provas da autoria e materialidade em relação a dois fatos imputados a ele.

O início das investigações foi em dezembro de 2016 e contou com a participação dos promotores de Justiça Maria Constância Martins da Costa, Fabrício Costa Lopo, Rodrigo Caldeira Grava Brasil e Renato Teixeira Rezende.

(Via MPMG)

Tags:
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *