Presidente fez pronunciamento sobre zika vírus em rede de rádio e TV nesta quarta (03)

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (3) em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão que a “guerra” contra o mosquito Aedes aegypti é complexa e exige o engajamento de todos. O mosquito transmite o zika vírus, apontado como responsável pelos casos de microcefalia registrados no país desde o ano passado.

A exemplo de falas anteriores da presidente na TV, houve panelaço, mas em menor número de cidades – foram registradas manifestações do gênero em pelo menos seis capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Recife, Goiânia, Curitiba e Porto Alegre.

No pronunciamento, com dez minutos de duração, Dilma voltou a defender o combate ao mosquito, ao vírus e disse ainda que o principal instrumento de controle está nas mãos da população, que, segundo afirmou, deve eliminar os criadouros, locais que acumulam água.

“A guerra contra o mosquito transmissor do zika é complexa porque deve ser travada em todos os lugares e por isso exige engajamento de todos. Se nos unirmos, a maneira de lutar se torna simples. Não podemos admitir a derrota porque a vitória depende da nossa determinação em eliminar os criadouros”, disse a presidente em seu pronunciamento.

Assim como fez no Congresso Nacional nesta terça (2), ao ler sua mensagem em razão do início do ano legislativo, Dilma voltou a dizer que o governo tem colocado todos os recursos financeiros, humanos e tecnológicos necessários “nesta luta em defesa da vida”.

Dilma afirmou que o governo federal busca parcerias com laboratórios internacionais para que seja desenvolvida o mais rápido possível a vacina contra o vírus e lembrou que falou sobre o assunto nesta semana com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Dilma iniciou a fala na TV pedindo licença para “entrar na casa” dos brasileiros porque passaria a falar de um assunto “muitíssimo importante”, Ressaltou que não falaria de política ou economia.

Ela afirmou que o zika vírus deixou de ser um “pesadelo distante” para se transformar em uma “ameaça real” aos brasileiros e lembrou que, ao afetar mulheres grávidas, o vírus pode comprometer o desenvolvimento do cérebro do feto, causando a microcefalia.

Segundo a presidente, o zika vírus não tem nacionalidade, porque “começou na África, se espalhou pelo Sudeste da Ásia, pela Oceania e agora está na América Latina. E este foi um processo excepcionalmente rápido, a partir do ano passado”.

Desde que o surto de microcefalia começou no país, ministros do governo têm dito que dois dias após a Secretaria de Saúde de Pernambuco ter comunicado o Ministério da Saúde sobre os casos, técnicos da pasta foram ao estado e menos de 20 dias depois foi decretado estado de emergência em saúde no país.

Nesta semana, a Organização Mundial de Saúde (OMS), ligada à ONU, decretou situação de emergência em saúde pública internacional em razão do zika vírus.

Como tem feito em discursos em eventos dos quais participa, Dilma voltou a dizer que a maneira mais eficaz de combate ao mosquito é deixar que ele não nasça. Ela também pediu que união da população.

“Formemos um grande exército de paz e de saúde, com a participação dos 204 milhões de brasileiros e brasileiras. Vamos provar, mais uma vez, que o Brasil é forte, tem um povo consciente, e não será derrotado por um mosquito e pelo vírus que ele carrega. Mais que nunca, o Brasil precisa da nossa união”, encerrou.

Íntegra
Leia abaixo a íntegra do pronunciamento da presidente na TV.

Brasileiras e brasileiros,

Peço licença para entrar na casa de vocês e falar de um assunto muitíssimo importante. Não vou falar sobre política ou sobre economia. Vou falar sobre saúde e sobre uma luta urgente que temos que travar neste momento em defesa das nossas famílias. Uma luta que deve unir todos nós.

Convoco cada um de vocês para lutarmos juntos contra a propagação do mosquito transmissor do vírus zika. Este vírus, de presença recente no Brasil e na América Latina, deixou de ser um pesadelo distante para se transformar em ameaça real aos lares de todos os brasileiros. Quando acomete mulheres grávidas, pode comprometer o desenvolvimento do cérebro do feto, causando a microcefalia.

O vírus zika, transmitido pelo mosquito, não tem nacionalidade. Começou na África, se espalhou pelo Sudeste da Ásia, pela Oceania e agora está na América Latina. E este foi um processo excepcionalmente rápido, a partir do ano passado.

O mosquito que transmite o vírus zika pode estar na casa do seu vizinho. Pode estar na sua casa, desde que haja criadouros. Ou seja, água parada contida em caixas d’água, vasos de flores, piscinas, bueiros, garrafas, pneus ou qualquer recipiente descartado como lixo.

Ele só precisa depositar seus ovos em água parada, limpa ou suja, para nascer, se proliferar e picar pessoas de modo a contaminá-las. Enquanto não desenvolvermos uma vacina contra o vírus zika, precisamos combater o mosquito. E a maneira mais eficaz é não deixando ele nascer, destruindo os seus criadouros, que em mais de dois terços, estão dentro das nossas residências.

A guerra contra o mosquito transmissor do zika é complexa, porque deve ser travada em todos os lugares e por isso exige engajamento de todos. Se nos unirmos, a maneira de lutar se torna simples. Não podemos admitir a derrota porque a vitória depende da nossa determinação em eliminar os criadouros.

Repito: basta que impeçamos o mosquito transmissor de se reproduzir em águas paradas. Se o mosquito não nascer, o vírus zika não tem como viver.

O principal instrumento está em nossas mãos: o cuidado contínuo em nossas casas, em nosso trabalho, nas nossas escolas, nos logradouros públicos, em todos os lugares para que estes não se transformem em lares para o mosquito transmissor do vírus zika.

O governo está colocando todos os recursos financeiros, tecnológicos e humanos necessários nesta luta em defesa da vida. Inclusive, buscamos parcerias com vários laboratórios internacionais, para que possamos desenvolver, o mais depressa possível, a vacina. Conversei com o presidente Obama e acertamos colaborar nesse desafio.

No sábado, dia 13, deflagraremos uma megaoperação, envolvendo 220 mil homens e mulheres das Forças Armadas. Os governos estaduais e municipais também estão mobilizados.

Vamos nos espalhar por todo território nacional e, junto com os agentes de endemia e de saúde, junto com você, vamos visitar o máximo possível de casas, para destruir os criadouros do mosquito.

Vamos, também, travar essa luta em todas as unidades do governo federal, em todos os estados da federação. Vamos eliminar os criadouros nos quartéis, nas unidades de saúde, em todos os prédios do governo. Cada funcionário público federal deve se transformar num combatente contra o mosquito e sua reprodução.

Todos nós precisamos entrar nessa verdadeira batalha. Precisamos da ajuda e da boa vontade de todos. Colabore! Mobilize sua família e sua comunidade.

Vou insistir: como a ciência ainda não desenvolveu uma vacina contra o vírus zika, o único remédio realmente eficiente que temos para prevenir essa doença é o vigoroso combate ao mosquito.

Quero transmitir, agora, uma palavra especial de conforto às mulheres brasileiras, principalmente às mães e às futuras mamães. Faremos tudo, absolutamente tudo, que estiver ao nosso alcance para protegê-las. Faremos tudo, absolutamente tudo, para apoiar as crianças atingidas pela microcefalia e suas famílias.

Estamos mobilizando a rede de saúde e a rede de assistência e todos os recursos necessários para ajudá-los a cuidar das crianças afetadas pela microcefalia. Por favor, ajudem-nos a lhes proteger. Formemos um grande exército de paz e de saúde, com a participação dos 204 milhões de brasileiros e brasileiras.

Vamos provar, mais uma vez, que o Brasil é forte, tem um povo consciente, e não será derrotado por um mosquito e pelo vírus que ele carrega.

Mais que nunca, o Brasil precisa da nossa união!

Obrigada e boa noite.

G1

1 comentário

Deixe um comentário

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.