Saúde e Bem-estar

Anticoncepcional e maternidade são as principais causas de perda de libido

A vida à dois é uma eterna dicotomia entre o amor e o sexo, mas e quando a vontade não vem? A falta de libido é um problema recorrente entre as mulheres e tem impacto direto tanto na qualidade de vida quanto nas relações interpessoais. Multifatorial, o não-apetite sexual pode ser resultado de estresse, sobrecarga e oscilação hormonal. 

Por outro lado, o uso frequente de remédios à exemplo do anticoncepcional também pode alterar a vida sexual da mulher como explica a especialista em farmacologia clínica Jackeline Alecrim. “Na maioria dos casos esse método contraceptivo contribui para a diminuição drástica dos níveis de testosterona, que está intimamente ligado ao desejo sexual”, aponta.

O efeito do medicamento na libido é cientificamente comprovado. Com uma amostragem de 1.046 mulheres, um estudo alemão publicado pelo Journal of Sexual Medicina comprovou que o medicamento tem efeito no desejo, sendo que um terço das mulheres analisadas que usava o anticoncepcional apresentaram alguma disfunção sexual. “A prevenção é importante, mas a mulher deve buscar o método que melhor se adapta ao seu corpo e estilo de vida já que a adaptação é individual”, diz a farmacologista Jackeline. 

A maternidade também é um fator de limitação da libido, já que o período é marcado por intensas transformações físicas, hormonais e emocionais na mulher. “Comumente essa mulher está cansada, sua atenção é integral ao filho e quando chega a noite o parceiro acaba ficando de lado”, explica Jackeline.

Sentindo na pele

Como falta de libido não escolhe cor, classe social e nem nível de influência, até mesmo algumas famosas já compartilharam esse problema. O caso mais recente é a da apresentadora Sabrina Sato que durante uma entrevista à TPM admitiu que perdeu o interesse sexual pelo parceiro Duda Nagle após o nascimento da filha, a pequena Zoe. 

“Quem faz sexo depois de ser mãe? É difícil, a vontade não vem. Quando você vira mãe, tudo muda. Atualmente, eu amo o Duda como se fosse meu irmão. É um amor gigantesco, eu olho para ele e sinto gratidão, mas não tesão”, disse à TPM. 

Segundo Jackeline Alecrim a diminuição é comum devido a queda brusca de hormônios no pós-parto como a testosterona. “Além disso produção de prolactina, hormônio responsável pelo leite materno diminui a lubrificação vaginal sem contar que os primeiro meses de vida de uma criança exigem muito do físico da mulher que está constantemente cansada e indisposta”, aponta.

Outra celebridade que compartilhou a perda da libido devido a maternidade foi Wanessa Camargo. Em entrevista ao canal de Julia Faria, a cantora argumentou que a falta autoestima também influencia no tesão. “A vaidade vai para o beleléu, a minha foi. Você quer colocar aquela calçola bem gigante, está cheirando a leite, você se sente um leite que anda. É você e seu filho, e ninguém mais importa no mundo. Você não quer saber de sexo, nada”, relata.

A farmacóloga clinica Jackeline aponta que o período de baixa libido durante a maternidade geralmente se estende por cerca de 90 dias, mas varia de mulher para mulher podendo chegar até mesmo a um ano. “O ideal é ir voltando ativa a medida que for se sentindo confortável”, recomenda.  

Além do desejo

Mais que a disfunção, o problema afeta em muitos casos o relacionamento com o parceiro já que o sexo passa mais um cumprimento de tabela do que uma vontade real. “O resultado disso é frustração, a autoestima vai no chão e o autocuidado também acaba sendo deixado de lado”, explica.

Por isso Jackeline alerta que é preciso atenção ao fenômeno para que ele também não adoeça o emocional. “Para quem tem diminuição de libido devido o uso de contraceptivos, não dá para simplesmente ignorar o problema e achar que é normal viver infeliz, não sentir desejo e usar a justificativa de que é um processo normal. Não é normal e inclusive há muitas formas de resolver o problema avaliando com um especialista outras alternativas de contracepção. Se a mulher está mal, tudo se desestabiliza a sua volta”. 

O primeiro passo para reverter a situação é tentar identificar as possíveis causas da disfunção. “Nesse momento um especialista é fundamental, além da comunicação clara com o parceiro sobre a situação, já que a falta de desejo em muitos casos é confundida com a falta de amor. No mercado já estão disponíveis diversos tratamento, sendo a reposição hormonal um deles”, explica.

Mais Lidas

To Top