Saúde e Bem-estar

Exame confirma que morte em Brumadinho foi por febre amarela

Em Brumadinho, 84% da população já estaria vacinada contra a doença (Foto: Renan Viana)

Foi confirmada na última sexta-feira (5) a morte de um homem de 51 anos, morador da zona rural de Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, por febre amarela. A informação foi divulgada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Conforme nota publicada pela pasta, ela foi notificada no dia 2 de janeiro deste ano de dois casos suspeitos de doença febril aguda na área rural do município, ambos do sexo masculino, sendo um de 51 e outro de 37 anos. “O paciente de 51 anos, que iniciou sintomas em 25 de dezembro de 2017 e foi a óbito no dia 31 de dezembro de 2017, apresentou resultado reagente para febre amarela pela metodologia PCR, realizada pela Fundação Ezequiel Dias/IOM”, diz o texto.

Já o outro paciente, que tinha suspeita inicial de dengue, foi transferido e está internado na cidade de Serra, no Espírito Santo, ainda sendo acompanhado pela SES. Neste caso ainda é aguardada a confirmação do resultado do exame.

Desde o início das suspeitas, já passaram a ser promovidas ações de prevenção e controle contra a febre amarela nos municípios afetados e limítrofes. “Dentre as ações desenvolvidas nas localidades, destacam-se: intensificação da vacinação rotina, conforme o Calendário Básico de Vacinação; intensificação da vigilância de epizootias de primatas não humanos (morte de macacos); investigação entomológica (de insetos) e vigilância laboratorial das síndromes febris icterohemorrágicas (SFIHA)”, completa a secretaria.

 

VACINAÇÃO

Ainda de acordo com a nota, a cobertura vacinal acumulada (2007 a 2017) de febre amarela no município de Brumadinho está em torno de 84,12%, com estimativa de 5.570 pessoas não vacinadas.

“Estão sendo realizadas ações de imunização prioritariamente nos domicílios e peridomicílios dos casos suspeitos. A ação está sendo estendida por todo o município, com intensificação vacinal casa a casa na zona rural e verificação do Cartão de Vacinação”, conclui a nota.

Fonte:  O TEMPO

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONTINUAR LENDO

CLOSE
FECHAR