Saúde e Bem-estar

Minas registra mais de 34.500 casos de dengue, chikungunya e zika; um dos oito casos de morte ocorreu em Ituiutaba

Minas Gerais registrou em 2018, até o momento, 23.350 casos prováveis (casos confirmados mais os suspeitos) de dengue. No ano, até agora, foram confirmados sete óbitos por dengue, nos municípios de Arcos, Conceição do Pará, Contagem, Ituiutaba, Lagoa da Prata, Moema e Uberaba. Outras nove mortes por suspeita da doença seguem em investigação.

Em relação à febre chikungunya, Minas Gerais registrou 11.019 casos prováveis da doença, concentrados na região do Vale do Aço. Até o momento, foi confirmado um óbito por chikungunya no município de Coronel Fabriciano em 2018. Uma outra morte suspeita provocada pela doença é investigada na região.

Já em relação à zika, foram registrados 180 casos prováveis da doença em 2018, e nenhuma morte, até o momento.

Os dados foram divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

Veja os números detalhados sobre dengue, chikungunya e zika, aqui.

Ituiutaba

A vítima tijucana que teve óbito confirmado por dengue é uma mulher de 42 anos, que faleceu no dia 23 de abril deste ano.

Dengue

De acordo com o Ministério da Saúde, o vírus da dengue é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti e causa doença febril aguda. Na maioria dos casos, os sintomas são leves e autolimitados. Contudo, uma pequena parcela dos infectados evolui para doença grave.

Estima-se que 2,5 bilhões de pessoas no mundo vivam em área de risco de transmissão do vírus, o que causa entre 50 milhões e 100 milhões de infecções e 20 mil mortes anualmente.

A dengue possui quatro sorotipos (DENV 1, 2, 3 e 4), todos com circulação no Brasil. A infecção por um sorotipo gera imunidade permanente para ele. No entanto, uma segunda infecção – por um outro sorotipo – é um fator de risco para o desenvolvimento da forma grave da doença.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONTINUAR LENDO