Saúde e Bem-estar

Prevenção ao câncer de próstata: é coisa de homem, sim!

Na contramão do preconceito, maior complexo hospitalar privado de Uberlândia conscientiza sobre tipo de câncer que atingirá quase 70 mil homens em 2018

Novembro passou a ser conhecido por ser o mês de prevenção ao câncer de próstata, que é o tipo que mais afeta os homens do nosso país, depois do câncer de pele (não-melanoma). De acordo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), até o final de 2018, são esperados cerca de 68.220 novos casos de câncer de próstata.

Ainda de acordo com o Portal, esse é o mais incidente tipo de câncer entre os homens em todas as regiões do País. Segundo o INCA, cerca de 95% dos homens tem algum preconceito para fazer o exame de toque retal. Desses, 37% acreditam que a doença pode ser detectada apenas com o exame PSA e não necessita do exame de toque. Dez por cento deles se recusam a fazer o exame, 32% não gostam de ir ao médico e 21% consideram que não precisam fazer o exame pois possuem uma vida saudável. O prejuízo para esta situação é a falha para detecção precoce da doença, fase com maior potencial de cura principalmente naqueles homens mais jovens onde a doença poderá causar a sua morte devido apresentar um comportamento mais agressivo.

Para o oncologista do Hospital Santa Genoveva, Rodolfo Gadia, a maioria dos cânceres de próstata apresentam causa desconhecida e meta é quebrar a barreira do preconceito, o que impede que muitos homens se dediquem à prevenção e consigam diagnosticar a doença precocemente. “O desenvolvimento do câncer de próstata pode estar ligado às mutações genéticas herdadas ou adquiridas, além do aumento das taxas de determinados hormônios como a testosterona. Ela promove o crescimento celular da próstata e pode contribuir para o risco de câncer de próstata em homens com maior sensibilidade genética e predisposição para a formação de células defeituosas”, afirma.

Segundo o médico, cerca de 63% dos casos no mundo ocorrem em homens com mais de 65 anos. Quando diagnosticado e tratado no início, tem os riscos de mortalidade muito reduzidos. “Os principais fatores para o desenvolvimento do câncer de próstata é a idade acima de 50 anos, história familiar positiva, fatores hormonais e ambientais como dieta rica em gorduras, sedentarismo e excesso de peso e a raça negra”, disse.

Gadia explica que o diagnóstico precoce do câncer de próstata é feito através do exame de toque retal associado a dosagem do PSA no sangue. Dependendo das alterações encontradas, deve ser realizada uma biópsia para averiguar a presença do câncer de próstata. “É necessário a realização dos exames em conjunto, ou seja, o toque retal e o PSA, pois são bem mais eficazes quando combinados, ou seja, um não exclui o outro”, garante Rodolfo.

O médico afirma, ainda, que embora seja verdade que o câncer de próstata é mais comum com o aumento da idade, homens de todas as idades devem estar atentos aos fatores de risco pessoais, principalmente com histórico familiar de câncer de próstata em parentes de primeiro grau, o que sugere que há um risco genético hereditário para desenvolver o câncer de próstata. O câncer nos homens mais idosos é geralmente mais agressivo e letal.

Rodolfo Gadia salienta que, se descoberto precocemente, o câncer de próstata apresenta boa chance de cura. “Podemos falar que é em torno de 90%, quando diagnosticado nos estágios mais iniciais. Os tumores mais avançados geralmente causam metástases para os ossos. Os tumores da próstata depois de tratados poderão voltar baseados na sua estratificação inicial (baixo, intermediário ou alto risco para recaída) ”, finaliza.

Como prevenir o câncer de próstata?

Alimentação ricas em frutas com mais importância ao tomate, verduras, legumes, cereais integrais e menos gordura animal. Praticar pelo menos 30 minutos de atividade física diariamente, prevenir obesidade, consumir álcool com moderação e não fumar. Homens com histórico familiar da doença deverão procurar o urologista a partir dos 40 anos para orientações e indicação dos exames complementares necessários.

 

Sintomas

A maioria dos cânceres cresce lentamente e não causa sintomas no início. Os tumores em fase mais avançada podem causar sintomas como dificuldade para urinar, sensação de não conseguir esvaziar completamente a bexiga, presença de sangue na urina e, em alguns casos, dor óssea na região das costas quando há a metástase.

 

Quais os tipos de tratamento para essa doença?

Dependendo da fase em que é diagnosticado o câncer de próstata, poderá ser feito radioterapia, cirurgia ou tratamento hormonal ou a combinação. A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada para cada paciente. Os tratamentos atuais apresentam excelente eficácia para o controle da doença, inclusive nas mais avançadas.

 

O Hospital

O Santa Genoveva possui uma equipe multidisciplinar composta por urologistas, proctologistas, radiologistas, patologistas, médicos nucleares e oncologistas. Assim, o paciente consegue o diagnóstico e o tratamento necessário (cirurgia e quimioterapia) em um mesmo local, o que facilita o acompanhamento do mesmo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONTINUAR LENDO