Redação | Comercial
Saúde e Bem-estar

“Tem vaga? Arruma vaga que eu mando”, diz secretário de saúde sobre transferência de pacientes para hospitais privados

Entrevista com o Secretário Municipal de Saúde de Ituiutaba, Dr. Elias Hércules que fala sobre a saúde no município e as liminares da justiça.

Publicado por Pontal em Foco em Quarta, 29 de março de 2017

Em entrevista à reportagem do Pontal em Foco, na tarde desta quarta-feira (29), o secretário municipal de saúde, Elias Hércules, falou a respeito da questão das liminares expedidas pela Justiça, em casos de pacientes com quadro clínicos que não são atendidos pelo Hospital São José (HSJ), pelo SUS.

Ocorre que, uma paciente deu entrada no início de março no HSJ, com complicações cardíacas. A paciente precisava passar pela terceira cirurgia no coração e a liminar expedida pela Justiça obrigava o Município a achar uma vaga para ela em um hospital da rede pública que atendesse pelo SUS Fácil ou, em um hospital privado, de modo que a Prefeitura arcasse com todos os custos para a realização dessa cirurgia.

Conforme o secretário, o maior impeditivo para isso, foi achar um hospital que aceitasse essa paciente. “Em São José do Rio Preto, por exemplo, não havia vagas e nem leitos disponíveis. Em Uberlândia, o chefe de cirurgia pediu uma série de exames para colocar essa paciente em condições cirúrgicas. Feito isso, foi apontado que a paciente não suportaria a transferência para Uberlândia”, disse em entrevista.

Os internautas que assistiram o vídeo, também levantaram o questionamento a respeito de um bebê que está internado no Hospital São José, em condições de improviso, uma vez que a unidade não tem UTI Neonatal. Muito leitores questionaram quando a Secretaria de Saúde pretende cumprir a liminar que obriga o Poder Público a achar uma vaga em UTI Neonatal para receber esse bebê e arcar com todos os custos, caso seja um hospital privado.

“Tem vaga? Arruma a vaga pra mim que eu mando”, disse o secretário sobre este caso

“Por que eu chegar com uma criança dentro de uma ambulância, em uma cidade que não tem vaga em um hospital, o que vai fazer? Arruma a vaga que eu transfiro imediatamente”, disse.

De acordo com ele, em casos como este, o que cabe ao Poder Público é procurar a vaga e negociar financeiramente com a instituição. Ele ainda destacou que, por conta de inadimplência da Prefeitura de Ituiutaba em situações como essas que aconteceram em gestões anteriores, muitos hospitais da região costumam dizer que não há vagas, com receio de que a Prefeitura não pague as despesas.

 

Jaqueline Barbosa

Jornalista tijucana, com formação em Comunicação Social / Habilitação em Jornalismo na Universidade de Uberaba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *