Brasil e Mundo Declarações

Declarações de Kassab reacendem revolta contra limite de banda larga fixa

Declarações de Kassab reacendem revolta contra limite de banda larga fixa

13/01/2017 16h52 Atualizada há 4 anos
Por: Adelino Júnior
[caption id="attachment_108027" align="aligncenter" width="560"] O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab (Foto: José Cruz/ABr)[/caption]

O ministro Gilberto Kassab afirmou na quinta-feira (12) que o governo pretende pôr em prática o limite de banda larga fixa no segundo semestre.

Com o discurso de "beneficiar o usuário", o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou na quinta-feira (12) ao Poder 360 que o governo deverá limitar a franquia de dados em banda larga fixa a partir do segundo semestre de 2017. "Nosso objetivo é beneficiar o usuário. O ministério trabalha para que o usuário seja cada vez mais beneficiado com melhores serviços", declarou. Em abril de 2016, depois de polêmica e revolta na sociedade civil e em entidades de defesa ao consumidor e aos direitos na rede, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) congelou (por ora) o objetivo das operadoras de impor um limite de consumo de dados mensal para assinantes de banda larga fixa. Agora, o governo esclarece que pretende implementar a medida. Na prática, o plano é que a banda larga funcione da mesma forma que a internet móvel: ao atingir a franquia, a velocidade da conexão cai ou é interrompida. O acesso só será restabelecido com o pagamento de um pacote adicional. À época da polêmica, o discurso das operadoras se baseava na capacidade de gerir com maior eficácia a demanda de cada cliente (foi usada uma metáfora desonesta que relacionava internet à água). A ideia é: quem usa menos (para acessar e-mails e de vez em quando redes sociais) paga o básico; quem usa mais (assiste a séries e filmes com frequência) paga o básico e um pacote extra quando a internet for interrompida (como se a internet fosse um recurso natural esgotável ou um tipo de entretenimento a ser usado com moderação). Cessar o tráfego pelos motivos alegados é, além de ilegal conforme o Marco Civil da Internet, uma maneira injusta de onerar qualquer estudante que precisa de conexão ilimitada para ensino à distância, qualquer trabalhador autônomo que fica 12 horas on-line e qualquer usuário que tenha o direito de assistir a quantos filmes desejar pelo serviço de streaming que paga mensalmente. Aí está o desafio das operadoras: o streaming. Com a ascensão de serviços como YouTube (o Brasil é a segunda maior audiência global), Netflix (somos a terceira) e Globo Play, o investimento para tal demanda de bytes é alto, assim como a carga tributária. São as mesmas operadoras que viram despencar o interesse dos clientes pelos pacotes que oferecem pela TV a cabo. Nos últimos 12 meses, o Brasil perdeu 252 mil assinaturas, conforme a Anatel. Na internet, a polêmica já voltou: a hashtag #NaoAOLimiteDeInternet é a mais comentada do Twitter. Via: http://epoca.globo.com/tecnologia/experiencias-digitais/noticia/2017/01/declaracoes-de-kassab-reacendem-revolta-contra-limite-de-banda-larga-fixa.html
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.